Dia internacional da mulher, a representação feminina no marketing digital

  O  Dia Internacional da Mulher foi proposto por Clara Zetkin, em 1910, no II Congresso Internacional de Mulheres Socialistas.

 Longe do que a socialista esperava, atualmente, a data é mais comercial do que política. Nesse dia, as marcas investem em estratégias de marketing, visando gerar empatia e aproximar as marcas de suas consumidoras.

No entanto, 65% das mulheres não se sentem representadas pelas propagandas criadas no Brasil. Esse número espanta já que elas representem 85% do poder de compra. 

  Essa falta de representatividade pode ser explicada no formato da equipe das empresas de marketing. Tanto o mercado de publicidade quanto o de marketing em geral, sofre com a defasagem de profissionais mulheres no setor de criação. 

  A questão da representação das mulheres no marketing sempre foi debatida nos movimentos de luta de mulheres. Principalmente por volta dos anos 60 e 70 do século passado, quando foi percebido o poder da mídia sobre a definição dos papéis de gênero.

Afinal, não podemos negar que os meios de comunicação de massa são, sem dúvida, um lugar social de construção de identidade. Por eles passam e se consolidam definições ideológicas de diferentes grupos etários, étnicos, de classe e cultura. 

  Sendo assim, levantamos duas questões: A mídia representa ou reflete a realidade? Como é que as mulheres são representadas no marketing? 

Sabemos que os profissionais de marketing não são espelhos que refletem a realidade. Existe uma construção do que será apresentado em suas campanhas. Sobre essa ação, o teórico e sociólogo Stuart Hall, aponta que um trabalho ativo de selecionar e apresentar, de estruturar e moldar, não se refere a transmitir meramente o significado já existente. Mas ao trabalho ativo de fazer com que as coisas tenham significado.

Dessa forma, os agentes do marketing, seja ele digital ou tradicional, têm acesso às demandas do público feminino diariamente e devem escolher de forma respeitosa a forma como irão representar a mulher brasileira.

O problema não está  apenas no que as campanhas de marketing dizem sobre as mulheres, mas também na forma que dizem. É comum ainda a difusão de mensagens estereotipadas e nada representativas das mulheres na sociedade. 

Se você pensa que apenas uma imagem e uma mensagem no dia 08 de março é o bastante, está completamente enganado. A mulher como agente ativo de sucesso tem que ter lugar no dia-a-dia da sua empresa, não apenas em casos excepcionais. 

Sem falar que as mulheres são super influenciadoras no meio digital e excelentes funcionárias. As mulheres possuem características únicas e essenciais para o marketing digital. Falamos sobre esse assunto no texto “Marketing Digital e mulheres, como funciona essa relação?”. 

Para mais textos, acesse nosso blog!

Até logo!

Privacidade